Monday, April 10, 2006

Visiting Belfast

No dia 27 de Março eu parti de Amsterdam para conhecer Belfast durante 5 dias. Além de mim, outros dois amigos foram comigo: um brasileiro de Nova Friburgo - RJ e um alemão de Berlim - Alemanha. O brasileiro, chamado Ennio, tem alguns conhecidos morando por lá, então foi através dele que tínhamos um contato com o pessoal morando em Belfast. Quanto a Belfast, ela me parece uma cidade grande como qualquer uma outra, mas com uma particularidade: a grande quantidade de igrejas (católicas e protestantes) que existem por lá e a belíssima costa litorana (que infelizmente nós não fomos visitar). O que chamou a atenção também foi o sentido do fluxo de automóveis no trânsito (o que nos rendeu alguns sustos ao tentar atravessar ruas) e nos próprios automóveis: o que é faixa da esquerda para nós, para eles é da direita e quanto a direção nos automóveis, ela está localizada no lado direito do carro.
Bom... vou escrever mais sobre 5 fatos relacionados com a viagem para Belfast: o problema com os passaportes brasileiros diferentes, o inglês esquisito que eles falam por lá, as festas "relâmpago", o meu quase "linchamento" e a visita a um quarteirão onde muitos conflitos já ocorreram no passado.
Vou começar pela história do passaporte. Eis que eu e o Ennio temos passaportes brasileiros que são diferentes e por "acaso do destino" eles complicaram um pouco na hora do check-in. O Ennio foi primeiro a fazer o check-in e eu cheguei logo em seguida (sendo que o passaporte do Ennio ainda estava com a mulher do check-in), quando eu entreguei o meu passaporte ela fez aquela cara de "Mas peraí... que palhaçada é essa?" e disse para mim... "Sorry Sr, but I have to make double check of your passport"... aí eu pensei... pronto... vai chamar a polícia e vamos ter que ficar dando explicações sobre a "manezice" do pessoal da PFB. Felizmente ela só deu uma olhada mais geral e depois liberou-nos para prosseguir o vôo.
Já em Belfast, uma coisa chamou a atenção quando entramos em contato com os nativos de lá, o inglês deles é complicado de entender. Tu sabe que eles estão falando inglês, mas eles fazem isso com um sotaque muito diferente. Alguns exemplos:

Inglês escritoPronúncia do meu inglêsPronúncia do inglês norte-irlandês
Thanks | Tenks | | Tenqui |
Tomato| Tomeito || Tamata |
Bread | Brééd | | Braad |

Quando eu fui para a balada, o meu inglês infelizmente me deixou na mão na hora de conversar com as nativas. Uma viu que eu era brasileiro (pois estava usando uma camiseta amarela-cheguei com a bandeira do Brasil estampada) e começou a puxar conversa... eu juro que me esforcei, mas com o som alto e com o famigerado sotaque norte-irlandês eu acabei desistindo. Falando em festas, elas são permitidas de "funcionarem" até a 1h nos pubs e até as 2hs nos clubs (entretanto tem lugares onde elas vão até mais tarde, só que... $$$). Então com essa curta duração os norte-irlandeses tiveram uma solução brilhante... vamos beber o mais rápido possível até a 1h da matina... resultado... muita, mas muita gente trêbada fazendo fiascos de remexer o esqueleto dos antepassados :) E o interessante é que no final das festas, as gurias estão muito mais bêbadas que os homens. Só que mesmo assim elas aparentamente não abrem muito a guarda... teve um cara que queria acompanhar uma guria meio embriagada para casa e ela largou em alto e bom tom: " WHO ARE YOUUU?" O cara deu meia volta e deixou ela lá (hehehe). A foto abaixo é do Pub "The Botanic Inn" onde nós fomos encher o caneco várias noites.



Bom... Belfast é conhecida por décadas e décadas de violência entre católicos e protestantes e isso pode ser claramente visto nas ruas com provocações através de murais e pichações por ambas as partes. A gente foi visitar uma dessas ruas em uma tarde chuvosa e com quase ninguém na rua... quando o taxista disse que nós iriamos para lá ao nosso próprio risco, confesso que fiquei com um pouco de receio de sair do Táxi :) A foto abaixo mostra um dos murais com provocações que existe por lá:



Outra coisa é interessante é um muro muito alto que foi construído nessa redondeza para evitar ataques noturnos com coquetéis molotov (que conforme o taxista ainda acontece nos dias de hoje). Na foto abaixo, estou assinando meu nome para pedir a derrubada do muro e a paz entre os dois lados.



O meu quase "linchamento" foi devido a blusa laranja que eu estava usando naquele dia e no último dia também. Eu reparava que muitas pessoas me olhavam de atravessado quando eu estava usando ele e umas pessoas chegaram a me provocar gritando algumas coisas com referência a cor do blusão. No começo não entendi o motivo, mas depois me "caiu a ficha". A cor laranja é associada ao Rei protestante William de Orange que derrotou os católicos em uma das batalhas pela suprêmacia protestante na Irlanda do Norte. E outra... a cor laranja é usada durante as paradas comemorativas a essa data... então as pessoas que cruzaram por mim deveriam ser católicos querendo meu couro :)
No mais era isso pessoal, para quem chegou até o final digo também que a cerveja por lá é muito boa :)

4 comments:

Roberto Jung Drebes said...

E aí Tapera, quase reiniciando a guerra na Irlanda, então, é? Mas como tu ia saber... laranja é uma cor tri casual pro dia-a-dia, não? :)

Lenice said...

kkkk, só tu mesmo... mas tb quem iria adivinhar q laranja é uma cor proibida????

muito bom o seu post!

bjos

Kaqui said...

Pixando muros até na Europa???
:O
Ah! E pára que tu não sabia da história do laranja! Nunca foi no Shamrock e ouviu sobre a bandeira irlandesa?

Bah! Deveria ser show mesmo ir pra Irlanda pro Saint Patrcik's Day! :D

Viviane: poetisa, professora, pesquisadora, atriz, pianista... said...

Obrigada pelo post, colega doutorando. Como parte de minhas pesquisas, fixarei residência em Belfast por um ano e confesso que sua narrativa engraçada e despretenciosa me animou. Poderiamos conversar mais, não?! Estou com receio...